Golfe para todos. Será?

O Aberto do Rio de Janeiro será disputado entre os dias 21 e 23 de outubro. O local do evento será o Campo Olímpico de Golfe, que foi construído especialmente para os Jogos Olímpicos de 2016 e que irá valer pontos para os rankings carioca, brasileiro e mundial da modalidade. De todos os esportes da Rio 2016 o golfe foi o único que não teve a presença de seus maiores astros.

Golfe voltou aos Jogos após 112 anos fora
Golfe voltou aos Jogos após 112 anos fora. Foto: Aaron Doster/Reuters

A então alardeada questão do zika vírus, transmitido pelo não menos famoso mosquito Aedes aegypti, serviu de desculpa para que os primeiros colocados do ranking mundial não viessem para a grande festa olímpica do esporte aqui no Brasil.

O irlandês Rory McIlroy foi o primeiro a desistir ainda em junho. Quando fez isso, era o terceiro do ranking. Logo em seguida, os dois primeiros, Jason Day e Dustin Johnson, também anunciaram a ausência. Segundo várias fontes, entre elas o campeão olímpico de remo Steve Redgrave, a ausência foi por conta de dinheiro, já que os golfistas se encontram entre os profissionais mais bem remunerados do mundo, e as premiações dos torneios abertos atingem números altíssimos.

Logo após a declaração, McIlroy foi entrevistado sobre a questão de desenvolver o esporte e, profissionalmente, se posicionou dizendo que não via obrigação nenhuma em ajudar no fomento do esporte e que seu foco era ganhar títulos e prêmios. Menos olímpico, impossível.

Na direção contrária, a de desenvolvimento do golfe, o Aberto do Estado do Rio terá, além da competição profissional, uma amadora, abrindo para esportistas diletantes a oportunidade de competir em uma instalação de altíssimo nível.

O Campo Olímpico de Golfe foi construído entre outubro de 2013 e janeiro de 2016 e recebeu um investimento total de R$ 60 milhões, com modelo de investimento privado.

Deixe uma resposta